Friday, November 03, 2017

Self-disclosure.

Uma grande razão (XV).




(gostas de bater palmas, de tocar no tambor, na pandeireta, de subir e descer da cama. gostas de comer.
já andas e bates com a cabeça.
quando andas, fazes notar uma grande alegria, como quem larga as muletas e recupera um dom há longo tempo perdido.
quando andas, a eduarda não esconde a surpresa: "oia, a tóia está a andar".
como lembrou adorno, uma criança não se envergonha por sentir entusiasmo pelo que os outros fazem. diz o que lhe ocorre e termina quando sente ter chegado o fim.
mostra-o sem pruridos ou receio das consequências.
ocupa, deste modo, um lugar maior, singular, na hierarquia dos despropósitos.)

Palavras de Cotrim.

Virilhas.



Quando muitas pessoas se juntam num espaço muito reduzido, acontece-lhes coisas nas virilhas.As virilhas são sensíveis. As pessoas não as consideram como sendo parte de si, da sua família.

Aflitas, as pessoas olham depois as virilhas ao espelho, olham as coisas acontecidas.
Lembram-se que precisam das virilhas para conseguir dançar sobre a carpete.
Lembram-se da reunião no banco, marcada para sexta-feira: durante a reunião, vão precisar das virilhas para conseguir traçar a perna.


Friday, October 27, 2017

Self-disclosure.

Andar de táxi.




Ontem andei de táxi.
Estava atrasado: alguém chamou um táxi por mim.

Passados dois, três minutos, recebi uma indicação no écran.
O paulo estava à minha espera.
O paulo esperou por mim vinte minutos.
Quando me viu, o paulo disse boa tarde, abriu-me a porta, sorriu.
Perguntou se tinha preferência por uma rádio.
Ofereceu-me uma água.
Deu-me uma hora prevista de chegada ao destino.
O táxi do paulo era preto, muito preto. Reluzia.
Podia fazer a barba a olhar para uma porta.
Os tapetes estavam limpos como a camisola que o paulo trazia.
O táxi do paulo tinha revistas do dia. Cheirava a baunilha.

O paulo desejou-me um bom resto de dia quando saí.
Ao sair do táxi do paulo, senti-me antigo.

Thursday, October 26, 2017

It´s an outlier!

Da importância de ter ideias.





À nossa volta, são sempre muitas,
as ideias em fim de estação.

As ideias em fim de estação
estão sempre prontas a fornecer reféns ao destino.

Elas, as ideias fenícias em fim de estação,
andam sempre por aí, enxutas em acabamentos.

Riem muito, umas com as outras,
brincam com as mesas, com as canetas,
enquanto aquietam advertências
sobre a evolução débil da economia.

As ideias em fim de estação são ideias da vontade débil,
ideias que um dia morreram e não disseram nada,
por discrição, por preguiça.

Andam depois por aí, de bigode,
meticulosas, a ver o futebol,
a pedir descafeinados,
a meter a ponta do estilo verbal
nas ranhuras da sua perda.

Monday, October 23, 2017

Self-disclosure.

Um grande desígnio (CXIV).





(a passagem do tempo traz dores, dúvidas, problemas.
recentemente, diferentes interacções têm sugerido que a minha idade poderá ser hoje um problema. perguntei-te o que achavas disto. a tua resposta constituiu uma espécie de revelação:

- o pai é novo ou é velho?

- o pai é o joão.)

Thursday, October 19, 2017

Palavras de Cotrim.

Telefonema de um amigo.





hoje
um velho levantou-se
e foi fazer ginástica -

soube há pouco ao telefone
por um amigo bem informado,

que pouco depois me disse
que tinha acabado de se casar




Tuesday, October 17, 2017

It`s an outlier!




Artwork: Lagoa da Vela (Agosto de 2017).






16 de Outubro de 2017: Um dia a não esquecer.



Foram muitos os acontecimentos trágicos vividos no dia 16 de Outubro de 2017.

A perda de vidas, de bens, de empregos, de identidade, de meios de subsistência, de património natural secular. A experiência de abandono, de desprotecção, de desconsideração, de fragilidade.

A resposta aos acontecimentos, onde apenas a abnegação pessoal e a entre-ajuda comunitária camuflou os efeitos do défice de planeamento, de competência, a mediocridade da organização.
A resposta sobre os acontecimentos, onde a ausência de humildade, o sentido de impunidade, a procura de auto-preservação e a gestão táctica do dano desconsideraram de forma inapelável o Estado, o desempenho de funções de Estado, a nobreza e o decoro que deveria assistir a prestação de um serviço público.
As respostas circulantes sobre a resposta aos acontecimentos, onde a clubite, a partidarite, e o primado da desconsideração insultuosa do interlocutor toldam as possibilidades de diálogo.

A inexistência de uma alternativa credível de governo central, no momento presente.
Os marques mendes, os vitorinos, os louçãs, os júdices, a comentar tudo e o seu contrário.
Os peritos, que vendem pouco, remetidos a nota de rodapé, a caução decorativa.
A indiferença, a anestesia colectiva, que contrasta, como sempre, com o exemplo que vem de fora (mil pessoas na noite de ourense a gritar "nunca mais").

Ardeu a Lagoa da Vela, a Mata de Quiaios, o Pinhal de Leiria, de Serpins, do Casal do Ermio. Sobrou a gestão de catástrofes à portuguesa: a evidência de incapacidade, o descontrolo, a resposta corporativista, a experiência de abandono, a atenção concedida à gestão táctica dos acontecimentos (a desculpabilização, a desresponsabilização, o afã da normalização).

Em breve virá a chuva, o futebol, as cheias, o sócrates.
Eu vou manifestar-me.
Eu não vou esquecer.

Tuesday, October 10, 2017

It`s an outlier!

A carne encarece a sopa.




Hoje estava bem-disposto à hora de almoço.

Aproveitei a raridade desta circunstância e, quando chegou a minha vez, pedi uma sopa.
Ouvi, em resposta, uma voz em forma de advertência:

- Olhe que hoje a sopa é mais cara: levou a carne que sobrou de ontem.

Palavras de Cotrim.

Vaidade.



uma forma de dizer

uma tentativa de sublimação
da inferioridade,
da vergonha.

Wednesday, October 04, 2017

Palavras de Cotrim.

Agenesia.





Ontem fui ao dentista.

No dentista, disseram-me que padecia de agenesia.
Cumpri o papel que me estava reservado, naquela circunstância: disse que sim, que compreendia.

O valor social e simbólico, diferencial, das profissões, decorre em muito destas pequenas violências. O senhor doutor. A toga, a bata branca. O gabinete. O juiz que sentencia, sentado num plano elevado. A complacência. A reverência. O domínio de um regime de expressão particular. O uso de palavras que assinalam uma distância, a intenção de assinalar a existência de lugares diferenciados, a circunscrição de um campo.

Neste caso, a palavra tem um valor asséptico: refere um diagnóstico, uma prática de aparência e reverberação neutral (natural), objectiva, inquestionável. Aquele que assim (se) afirma, afirma um lugar de pertença, uma diferença. Uma diferença que tem um valor, que sublinha e reproduz um valor, uma ordem.

A diferença que assim se afirma, comporta, porém, um efeito dissuassor. Um efeito que pode ser ou não visado: a diferença que se afirma afecta o consentimento, isto é, a possibilidade de sentir em comum, estabelecendo uma barreira à possibilidade de diálogo, de compreensão.

Em contextos, como o português, onde a acção individual tende a valorizar, conservando, as posições, os papéis, as distâncias institucionais pré-existentes, a existência de barreiras, a diferença que se afirma, surge como natural, como expectável. Espera-se não se perceber por inteiro o que se ouve num consultório, num tribunal, numa assembleia, numa missa. É, em certa medida, tranquilizador.

Acontecer o que se espera valida o que se pensa: é um motivo relevante, em termos psicológicos. Contribui para a preservação de um sentido de integridade pessoal. Neste sentido, tranquiliza.

Se a prática ou o objecto considerado for outro, porém, poderão divergir os valores, a valoração, as consequências, o entendimento. Se um economista ou um historiador protagonizarem um diagnóstico, afirmando um contexto de greve como propenso à sedição, o diálogo poderá seguir ardente. Poderá ser sugerido que se trata de alguém que "tem a mania", que "gosta de complicar". O valor do diagnóstico é aqui questionável: surge comprometido pela existência de um julgamento pessoal, subjectivo, de um posicionamento inquinado por uma irritante superioridade moral.

Agenesia, portanto: há dentes que há, e que não existem na minha boca.

Monday, October 02, 2017

Palavras de Cotrim.

Boa disposição.



No sábado, fui beber um café às cinco, esperando conseguir ver depois um caroço na cabeça na sala vazia.

Numa mesa em frente, passado algum tempo, sentou-se uma senhora.
Era uma senhora que estava bem-disposta.

Não é difícil perceber quando alguém se encontra bem-disposto.
Ouve-se.

It`s an outlier!

Eleições.




Um meu avô vai fazer em breve oitenta e oito anos.
Ontem votou para a câmara para a assembleia para a junta de freguesia.

Confidenciou-me que mudou o seu voto habitual.
Por vezes é importante mudar - disse-me - para que os defeitos passem a ser outros.